quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Microconto: O barulho das letras (Maroel Bispo)

O barulho inconfundível das letras não deixavam ninguém dormir.
Elas subiam e desciam, elas se juntavam e se separavam,num movimento 
frenético. Escorriam por entre os dedos a tinta colorida daquelas cálidas palavras.
Essas mesmas palavras e se debruçavam na janela da casa cinzenta e 
a velha folha de caderno soluçava, lá no cantinho do quarto escuro,
 tamanha era a alegria. O motivo? Aquela folha, outrora vazia, 
novinha, agora delirava de prazer, por ter pousado em suas asas
uma tão bela poesia.